sábado, 23 de agosto de 2008

O poema preferido




Si el sueño fuera (como dicen)
una tregua, un puro reposo de la mente,
¿por qué, si te despiertan bruscamente,
sientes que te han robado una fortuna?

¿Por qué es tan triste madrugar? La hora
nos despoja de un don inconcebible,
tan íntimo que sólo es traducible
en un sopor que la vigilia dora

de sueños, que bien pueden ser reflejos
truncos de los tesoros de la sombra,
de un orbe intemporal que no se nombra

y que el día deforma en sus espejos.
¿Quién serás esta noche en el oscuro
sueño, del otro lado de su muro?

[El sueño , Jorge Luis Borges]



Este é o meu poema preferido faz muito tempo. Ele já esteve presente milhares de vezes no meu profile do orkut, nos meus blogs, nos meus nicks de msn... Na minha mente, no meu coração. Esse fato faz com que ele mereça um post, não é? Pois bem, aqui está.

Agora vem a pergunta de 1 milhão de dólares: porque ele?

Bueno, talvez a pergunta que o Borges faz me intrigue demais. ¿Quién serás esta noche en el oscuro sueño, del otro lado de su muro? Todas as noites, nos meus sombrios sonhos há uma transformação. Algo silencioso, velado, que faz com que na manhã seguinte eu acorde outra pessoa. Todo dia uma diferente. Não, eu não tenho múltipla personalidade, é apenas uma questão de... crescimento pessoal? Adaptação ao meio? Sobrevivência? Eu fico com todas as alternativas anteriores e ainda acrescento o fato de que ser a mesma pessoa pra sempre é chato demais, insuportável demais. Densidade me atrai. Não aquela triste, amarga, que te puxa pra um buraco... Aquela intensa e ao mesmo tempo leve, que faz com que tudo que se viva seja feito com paixão, visceralmente. "Põe quanto és no mínimo que fazes" (Ah, Fernando Pessoa!). E para isso tudo eu tenho que sempre cultivar a minha capacidade de sonhar... Sonhar com o que eu quero pra mim, com todas as coisas maravilhosas que eu tenho, com as que eu quero que as pessoas que eu amo tenham. Passar a noite num universo alternativo, deitada em um campo de lavanda pensando no que eu quero pra mim quando acordar, na pessoa que eu quero ser.

E é isso que importa.

"E se você fecha o olho
A menina ainda dança
Dentro da menina
Ainda dança
Até o sol raiar
Até o sol raiar
Até dentro de você nascer
Nascer o que há"

[Marisa Monte]

3 comentários:

Anónimo disse...

Ai Vanzinha, perfeito!!
quem não sonha? e vc resumiu bem.
besos

Anónimo disse...

besos rsss
Lu aug

εїз Quente e Letrista εїз disse...

Não esquece mesmo de deixar o nome, apesar de que o jeitinho de falar já denuncia, né?

"besos" kkkkkkkk